• luis1535

Importância da Avaliação Cardiológica Pós-COVID-19 no FUTSAL


Importância da Avaliação Cardiológica Pós-COVID-19 no FUTSAL


A NEOCOR - Centro Médico Integrado, recebeu em sua sede na cidade de Pato Branco – Pr, os representantes das equipes do PATO FUTSAL, UNIDEP FUTSAL FEMININO e AAEMA FUTSAL para a apresentação dos novos protocolos de atendimento de Atletas Pós-Covid-19.


Na ocasião os Drs. Luiz Fernando Morrone CRM/PR 15442 e Daniel Spilmann CRM/PR 42051, falaram dos estudos recentes da síndrome PÓS-COVID-19 e da importância de se realizar uma avaliação completa dos atletas antes do retorno das atividades, treinamentos e jogos.


Acreditamos que os protocolos devem ser mais rigorosos para um retorno seguro as atividades físicas, principalmente em atletas de alta performance. Nosso objetivo foi orientar que todos que praticam atividade física, atletas e demais membros das equipes devam seguir protocolos de atendimento PÓS-COVID-19 para protege-los de possíveis sequelas que possam prejudicar suas carreiras ou até mesmo aumentar o risco de morte súbita.”


A NEOCOR entende que o suporte médico adequado é importante para minimizar os riscos dos atletas em seus retornos, hoje é conhecido que o envolvimento do coração pelo COVID-19 é real e pode ocorrer mesmo em pacientes assintomáticos ou com sintomas leves. A Miocardite (inflamação do musculo do coração) deve ser investigada antes do retorno a pratica esportiva, pois sua ocorrência pode variar de 15 até 60% dependendo da população estudada.


Consideramos essencial a todos os atletas uma avaliação medica individualizada com exames complementares para poder minimizar o risco de complicações e sequelas futuras.


Além disto, sugerimos que os atletas que contraíram COVID-19 e se recuperam sem sequelas aparentes mesmo após essa avalição inicial, devam ser reavaliados periodicamente por médio e longo prazo, para maior segurança na pratica de esportes competitivos e de alta performance.


Avaliação Cardiológica de retorno PÓS-COVID-19


A pandemia causada pelo coronavírus é, sem sombra de dúvida, o maior desafio enfrentando pela saúde pública no mundo nesse início de década. A quantidade de pessoas infectadas torna-se exponencialmente maior a medida que os dias passam, e os órgãos de saúde pública lutam para evitar o seu alastramento. Distanciamento social, suspensão de atividades coletivas, evitar aglomerações, vacinação em massa e outras medidas tem sido largamente utilizadas no mundo todo para tentar frear o avanço do coronavírus.


No brasil , no dia 08/04/21, o numero de infectados passa de 13 milhões e já são quase 12 milhões de recuperados da infecção. A mortalidade geral pelo vírus gira em torno de 2.6%;


O vírus do COVID-19 está associado a doenças cardiológicas e vasculares, levando a sequelas e, nos piores casos, à morte súbita. Por causar um processo inlamatório sistêmico do organismo humano , vários orgãos podem estar envolvidos em maior ou menor grau inclusive o coração e vasos sanguíneos, que pode estar presente ja na fase aguda da doença ou manifesta-se dias, semanas e até meses gerando o que chamamos de sindrome pós COVID-19 ou “long COVID”. Dentre as complicações mais graves estão Miocardites (inflamação do músculo cardíaco), arritmias e tromboses. O comprometimento do coração em estudos recentes pode chegar até 20-40% dos casos pós Covid 19 e a incidência de miocardite varia de 1.5% a 4.5% (1)., chegando a 40-50% em outros estudos. Ou Seja ainda e desconhecido efetivamente a real taxa de miocardite e problemas vasculares na população.


Até 80% das pessoas que passam pelo quadro de infecção pelo COVID-19 tem algum tipo de sintoma, sendo os mais comuns falta de ar, fraqueza, dificuldade para realizar atividades físicas, dores articulares, palpitações, alterações da memória e do sono (2).


IMPACTO DA COVID-19 NO MUNDO ESPORTIVO


O mundo esportivo também sente o impacto, com casos de morte súbita em quadra e no campo de atletas que passaram pela infecção pelo coronavírus e complicações cardíacas graves culminando com afastamento de atletas por 6 meses a um ano dos jogos.


Sem saber como proceder e como proteger os atletas nesses casos, órgãos internacionais como o American College of Cardiology’s Sports & Exercise Cardiology Council em conjunto com especialistas das áreas cardiológicas tem desenvolvido protocolos de como proceder para volta dos atletas aos treinos e jogos, após o quadro de COVID-19, para tentar minimizar os riscos a saúde dos atletas e preservar os clubes de complicaçoes futuras. (3).



PROTOCOLO DE AVALIAÇÃO PÓS-COVID-19


Conforme os órgão internacionais (3), baseado nas principais orientações da Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) e da Sociedade Brasileira de Medicina do Exercício e do Esporte (SBMEE), a NEOCOR construiu um protocolo de acompanhamento e liberação de atletas no pós Infecção pelo COVID-19.


O protocolo de atendimento de Avaliação Esportiva de retorno pós-COVID-19 (APP-COVID19 – Figura 1) foi desenvolvido para ter objetividade, segurança, praticidade e é mais conservador do que algumas estratégias já praticadas com objetivo de evitar desfechos graves e morte súbita. Este protocolo é mais simples e rigoroso dos que os atualmente exigidos pelas Confederações desportivas do Brasil. Em momentos de incertezas frente a uma nova doença; tudo é mutável, mas cautela, bom senso e sempre mais seguro.


1. Fase inicial: O início do protocolo é contato do dia em que há confirmação do diagnóstico pelo método de PCR, tornando objetivo e eliminando subjetividade dos sintomas. Isso gera garantia que o tempo de repouso/recuperação (sem qualquer tipo de atividade física) seja respeitado, e mais importante ainda, que o período de infectividade e isolamento sejam devidamente cumpridos e controlados por supervisores, médicos e pela propria federação esportiva que o atleta pertence.


2. Fase 1: do décimo primeiro dia (11) da positividade do PCR até o décimo sétimo dia (17), são coletados exames laboratoriais e cardiológicos obrigatórios como eletrocardiograma e ecodoppler cardiograma. Importante constar que o atleta não pode apresentar sintomas de infecção como febre, tosse com catarro e falta de ar. Nesse período de duas semanas, o atleta pode voltar a realizar atividade física de baixa a moderada intensidade conforme sua condição e avaliação da equipe de preparação técnica;

3. Fase 2: a partir do décimo sétimo (17) dia se os exames da fase 1 estiverem normais, atleta permanecendo assintomático pode ser realizado teste ergométrico de esforço computadorizado para simular estresse físico e cardíaco máximos. Se o teste ergométrico for normal o atleta pode iniciar treinos com atividade física de alta intensidade conforme avaliação e liberação pela comissão técnica;


4. Fase de Liberação: após o vigésimo quarto dia (24) da positividade da PCR com todos os exames anteriores dentro da normalidade, liberação médica e há uma semana em atividade física de alta intensidade (treinos) o atleta tem a liberação para retorno à pratica espostiva competitiva conforme avaliação e liberação pela comissão técnica.


Caso encontradas evidências de sequelas cardíacas (arritmias, miocardites, tromboses...) pode ser necessário exames mais apurados (Holter / Ressonância Cardíaca); tratamento específico e afastamento da atividade física por tempo indeterminado pode ser necessário; O objetivo é afastar o risco de morte súbita durante prática esportiva;


Acompanhamento cardiológico dos atletas deve ser no mínimo por seis meses, conforme as orientações das SBC, SBMEE e órgãos internacionais;


Por parte da comissão técnica dos clubes, devem ser realizadas avaliações periódicas de rendimento e desempenho dos atletas durante todo o período pós-covid e qualquer alteração relevante pode ser relatada ao grupo médico responsável.


GRÁFICO DE RETORNO PÓS-COVID-19


A NEOCOR, como Centro Cardiovascular de referência no Sudoeste do Paraná – BR, através do seu programa PROESPORTE tem acompanhado de perto essa realidade prestando assistência e acompanhamento especializados para pacientes cardiológicos e para aproximadamente 200 atletas profissionais de futsal, futebol de campo, basquete, entre outros.


Equipes atendidas:

  1. PATO FUTSAL – Liga Nacional de Futsal, Copa do Brasil e Campeonato Paranaense de Futsal – Série Ouro;

  2. PATO BASQUETE – NBB – Novo Basquete Brasil e Campeonato Paranaense de Basquete;

  3. AZURIZ FUTEBOL – Campeonato Paranaense de Futebol – 1ª Divisão;

  4. UNIDEP FUTSAL FEMININO – Taça Brasil de Clubes, Copa do Brasil de Futsal e Campeonato Paranaense de Futsal – Série Ouro;

  5. AAEMA MARIOPOLIS – Campeonato Paranaense de Futsal – Série Prata e Jogos Abertos do Paraná



REFERÊNCIAS:


1. Clerkin KJ, Fried JA, Raikhelkar J, et al. Coronavirus disease 2019 (COVID-19) and cardiovascular disease. Circulation. Published online March 21, 2020. doi:10.1161/CIRCULATIONAHA.120. 046941;

2. Lancet 2021; 397: 220–32 Published Online January 8, 2021 https://doi.org/10.1016/ S0140-6736(20)32656-8;

3. AMA Cardiology October 2020 Volume 5, Number 10. A Game Plan for the Resumption of Sport and Exercise After Coronavirus Disease 2019 (COVID-19) Infection;

14 visualizações0 comentário